Entendeu ou quer que eu resenhe?

quinta-feira, 18 de maio de 2017

PHILOMENA




Data de lançamento: 14 de fevereiro de 2014 (1h 38min)
Direção: Stephen Frears
Gênero: Drama
Nacionalidades: Reino unido, França, EUA

Sinopse:  O filme é baseado em fatos reais. Nos anos 1950, uma jovem irlandesa engravida e acaba sendo enviada para um convento. Lá, as freiras a convencem a abrir mão de seus direitos sobre a criança, em troca da expiação do seu pecado. Philomena trabalha duro na lavanderia do convento e mal pode ver o filho, que é adotado por uma família dos Estados Unidos. Muitos anos passam e  Philomena (Judi Dench) resolve reencontrá-lo. Um jornalista famoso (Steve Coogan), também às voltas com questões pessoais, decide investigar a história com a intenção de vendê-la  como matéria para uma editora. A investigação revela-se mais complexa do que o esperado, envolvendo descobertas dolorosas, envolvendo conflitos pessoais e dogmas religiosos.
Philomena é um daqueles filmes que esbarram em você pelo caminho sem qualquer pretensão. O título e a pequena sinopse nada contribuíram para despertar maior interesse, no entanto, é assim que nos surpreendemos. O quase nada anunciado revela-se uma emocionante viagem.
Impossível não fazer um paralelo entre Philomena e Em Nome de Deus, filme que já resenhei. Ambos abordam o tema das instituições religiosas, os chamados Asilos de Magdalena. Um assunto pesado, que causa indignação e estranheza. A austeridade da vida imposta à protagonista, mesclada à uma boa dose de crueldade vinda de quem deveria oferecer auxílio e compaixão, traz uma carga de dramaticidade e densidade difícil de ser digerida. Mesmo assim, o enredo prende a atenção, pois quem não quer saber o que aconteceu com o filho de Philomena?
O filme conta com a bela trilha sonora do premiado Alexandre Desplat, indicada ao Oscar 2014, ao lado de mais três indicações: Melhor Filme, Melhor Atriz e Melhor Roteiro Adaptado. No Festival de Veneza 2013 foram nove prêmios.
Não assista a esse filme se estiver deprimido, mas apenas se for capaz de disponibilizar espaço para uma enxurrada de sentimentos conflitantes. Vale o risco!

Cotação: ****

Nenhum comentário:

Postar um comentário